segunda-feira, 15 de março de 2010

Lançamento do Livro Geotourism



Olá pessoas, aproveitando o espaço para divulgar a mais recente obra sobre nossa linha de pesquisa, Geotourism: the tourism of geology and landscap, (foto ao lado) de David Newsome e Ross Dowlling.

O tema do geoturismo está crescendo rapidamente com o curso e a valorização das paisagens naturais e fenómenos geológicos continuando a crescer como um nicho da indústria do turismo global.

Geotourism: the tourism of geology and landscape, é uma compilação de investigação internacional de primeira classe, que fornece uma visão sobre as muitas facetas deste tema emergente, e de forma abrangente explora a relação entre a paisagem, os fenômenos geológicos e do turismo. Abrangendo informações sobre a valorização da paisagem, patrimônio geológico, gestão, interpretação, educação e o futuro do geoturismo, ele define a cena e dá uma definição clara do geoturismo, bem como informações sobre as suas características.

Com contribuições de uma equipe internacional de pesquisadores, especialistas, profissionais e gestores de áreas protegidas, o presente livro contém exemplos de conceitos geoturismo, desenvolvimento e prática de todo o mundo.

Esta obra é parte de um conjunto de dois volumes. O volume global, Geoturismo e Perspectivas reúne uma série de estudos de caso de geoturismo de um número de países, incluindo Austrália, Brasil, China, Grécia, Malásia, Ilhas Maurício, Nova Zelândia, Omã, África do Sul e E.U.A.. Juntos, os dois livros impulsionam o sujeito a um outro nível e proporcionar uma plataforma de informação sobre a qual construir o futuro do geoturismo.

Leitura indispensável para todos os estudantes, pesquisadores, profissionais envolvidos no campo emergente e crescente de geoturismo

domingo, 14 de março de 2010

Chamada de Artigos do Ministério do Turismo

Tendo como objetivo principal a geração de conhecimento, com vistas a promover estudos e pesquisas acerca dos segmentos turísticos, está aberta a Chamada para Seleção de Artigos Acadêmicos.

Os artigos devem tratar de assuntos relativos ao tema segmentação do turismo, contemplando os diversos segmentos de oferta e/ou de demanda, considerando a relação destes com o mercado.

Os artigos selecionados comporão uma publicação eletrônica que será editada pelo Ministério do Turismo, bem como disponibilizada no Portal do Turismo e o autor de cada um deles terá a oportunidade de compor as mesas de debates que serão constituídas durante o 5° Salão do Turismo – Roteiros do Brasil, no módulo Núcleo de Conhecimento.

Os artigos devem ser postados, via SEDEX, até o prazo limite de 31 de março de 2010 e os resultados desta seleção estarão disponíveis para consulta a partir do dia 30 de abril de 2010, pelo endereço eletrônico do Ministério do Turismo – www.turismo.gov.br – e do Salão do Turismo – Roteiros do Brasil – www.salao.turismo.gov.br.

No caso de dúvidas ou esclarecimentos, envie e-mail para nucleo.conhecimento@turismo.gov.br, ou ligue para 61 - 2023 8160.


Atendimento à imprensa
Assessoria de Comunicação do MTur
imprensa@turismo.gov.br
(61) 2023 7055
Siga o turismo no Twitter: www.twitter.com/MTurismo

...vamo divulgar o Geoturismo!!! =D

quarta-feira, 10 de março de 2010

Geodiversidade e Geoconservação

Por Fernando César Manosso e Marcos Antônio Leite do Nascimento



É mais que notória a eminente preocupação da sociedade atual com as questões ambientais e as reais implicações que nossa interferência sobre as condições físicas, biológicas e químicas do Planeta poderão proporcionar.

Esse assunto está cotidianamente na mídia e divide-se entre sérios casos de poluição, erosão, desmatamento, etc, reflexos de um desenvolvimento que precisa atender as necessidades da sociedade moderna.

De forma a amenizar os efeitos antrópicos sobre a Terra, conferências internacionais sobre meio ambiente são realizadas a pelo menos três décadas e a cada dia aparecem práticas ecologicamente corretas em todos os setores econômicos e em todos os níveis da sociedade.

Desse modo, foram surgindo algumas estratégias diretas de conservação da natureza, sobretudo com um apelo bio ou ecológico, como é o caso das centenas de áreas protegidas distribuídas pelos mais variados biomas do Planeta e em diversos países, com objetivo de resguardar significativos exemplares da vida e de paisagens naturais para o futuro.

Como parte dessa estratégia aparece em cena também, sob a esfera pública, instrumentos legais de incentivo à conservação da natureza e de punição ao efetivo poluidor ou àquele que altere as condições biogeoquímicas do meio.

Meio esse que é constituído por uma estrutura física bastante organizada, chamado de meio abiótico e que possui a função de dar suporte ao desenvolvimento de outra estrutura muito complexa também, que é a vida, ou elementos bióticos.

Portanto, o meio é a junção inseparável dos elementos abióticos como clima, rochas, solos e água e os elementos bióticos, constituído pelos animais, vegetais e outras formas de vida.

No entanto, quando se fala em conservação ou preservação da natureza, percebe-se uma preocupação maior com os elementos biológicos. Inclusive, as unidades de proteção ou conservação da natureza supracitadas, em sua maioria estão situadas em áreas ditas prioritárias para conservação da biodiversidade.

Biodiversidade é a diversidade da vida, que em alguns biomas são mais elevadas e em outros mais baixas, mas junto à essa biodiversidade existe uma geodiversidade.

Podemos dizer que a vida no planeta só passou a ter uma maior diversidade a partir do momento em que a geodiversidade passou a se intensificar, principalmente nas Eras Paleozóica e Mesozóica, pois com a atmosfera oferecendo condições climáticas diversas sobre a superfície, os oceanos sendo formados e redistribuídos e os continentes se reestruturando formando depressões, vales, cadeias de montanhas, rios, etc, a vida foi se adaptando, se diversificando ao longo das terras e mares.

Parte dessa biodiversidade recebeu o título de patrimônio da humanidade devido a sua importância, assim como algumas expressões culturais ou construções históricas que representam um importante registro da história social, econômica ou cultural da sociedade.

Mas segundo o conhecimento gerado pelas geociências como Geologia, Paleontologia, Geomorfologia, Petrologia, Mineralogia, Hidrologia, etc, existe outro patrimônio, baseado na geodiversidade, que são áreas ou locais de suma importância para entender história geológica do Planeta Terra.

Esses locais, com presença de formações rochosas específicas, processos geológicos peculiares e representativos ou ocorrência única de fósseis, por exemplo, configuram um conjunto de registros que nos ajuda a compreender o passado da Terra e por isso, precisam ser conservados e até mesmo melhor aproveitados sob seus devidos valores científicos-didáticos, estético-paisagístico, cultural, educativo ou turístico.

Para isso é necessário uma estratégia de geoconservação, inventariando e classificando as áreas prioritárias, oferecendo condições efetivas de uso adequado e de sua proteção.

Algumas iniciativas já estão acontecendo em nível mundial, inclusive, além da conservação da geodiversidade, o conhecimento científico sobre ela tem sido aproveitado para o turismo científico, educativo e de lazer.

A UNESCO criou um programa de Geoparques, que abrange um conjunto de locais com interesse geocientífico e esses são conservados e oferecidos à população como atrativos e possibilidade extra de geração de renda na região.

Alguns estados, como o Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, São Paulo, dentre outros começam a oferecer a informação de geociências em locais onde já existe a visitação turística e o principal atrativo está pautado na geodiversidade, como a paisagem, formas de relevo, rochas, etc.

Existem várias Unidades de Conservação no Brasil muito visitadas pelos turistas e estudantes, onde o principal atrativo é a beleza estética, que está associada diretamente a condições geológicas do local. Exemplo disso são as Cataratas do Iguaçu, as Chapadas, a Serra do Mar, Serra Geral e Aparados da Serra, dentre outras.

É necessário que os gestores públicos e aqueles de áreas protegidas percebam a necessidade da geoconservação e incentive a sua inventariação, classificação e uso educativo, científico e turístico dessas áreas.

(Fernando Manosso é Geógrafo, Mestre em Análise Ambiental e Doutor em Geografia pela Universidade de Maringá - PR)

segunda-feira, 8 de março de 2010

Simpósio Temático SP27 “Monumentos geológicos, geoturismo, geoconservação e geoparques”

Prezados Colegas Pesquisadores, Profissionais e Estudantes,
Desde 2004, em Araxá, temos um Simpósio dedicado à temática relacionada ao Patrimônio Geológico em nosso Congresso Brasileiro de Geologia. Nos eventos subseqüentes, em Aracaju e Curitiba, consolidamos nosso espaço de discussão com novas conferências internacionais, apresentações orais e pôsteres de alto nível e com salas cheias, demonstrando que no Brasil produzimos trabalhos de excelência, apesar do pouco tempo a que nos dedicamos a esta temática. Neste ano, em Belém, pretendemos dar mais um salto, ampliando o número de
trabalhos e avançando na discussão de temas importantes como os inventários de geossítios, divulgação e proteção do patrimônio geológico, bem como dos Geoparques, como espaços de desenvolvimento social, associados ao conhecimento geológico. Contamos com vocês para avançar mais e mais. Esperamos sua contribuição técnicocientífica e sua presença. Até lá!

Lembramos que o prazo final para a submissão de trabalhos é 31/03/2010 e as orientações estão disponíveis no site www.45cbg.com.br

Contamos com a sua presença em Belém!

Cordialmente,

Kátia Leite Mansur (DRM-RJ) - kmansur@drm.rj.gov.br
Marcos Antonio Leite do Nascimento (UFRN) – marcos@geologia.ufrn.br
Coordenadores do Simpósio Temático SP27
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...