quarta-feira, 1 de julho de 2015

XVI SBGFA - Considerações

Olá amigos! 

Encerrou hoje o XVI Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, realizado na cidade de Teresina, no estado do Piauí. Sou suspeita para falar, afinal, sou teresinense, mas foi um dos eventos mais bem organizados que já participei, planejado nos mínimos detalhes, desde o cafezinho à escolha dos palestrantes. 

Como eu havia publicado anteriormente, esta foi a primeira edição que a temática da Geodiversidade fez parte da programação deste evento que é um dos mais importantes da Geografia Físíca no Brasil. Deixo desde já os meus agradecimentos à professora Cláudia Sabóia por ter apoiado nossa temática e dado esta oportunidade. 

Entre as mais diversas mesas-redondas, foram discutidos assuntos clássicos e relevantes à Geografia (Cartografia, Geotecnologias, Estudos de Impactos Ambientais, Bacias Hidrográficas, Biogeografia, Riscos Geomorfológicos, Mapeamento Geomorfológico, Solos, Climas, dentre outros), tivemos a mesa-redonda "Patrimônio Geológico e Geoturismo: a importância das estratégias de geoconservação", presidida pelos Professores Doutores Marcos Nascimento (UFRN), Jasmine Moreira (UEPG) e Kátia Mansur (UFRJ).


Mesa-redonda no XVI SBGFA
Foto: Laryssa Sheydder

O professor Marcos Nascimento iniciou o debate "Afinal, o que é geodiversidade?" falando sobre geodiversidade e seus conceitos, valores, ameaças, um quadro geral das publicações na área e explanou também sobre os geoparques.


Professor Dr. Marcos Nascimento
Foto: Laryssa Sheydder

Em seguida, professora Kátia Mansur apresentou "Geoconservação: como proteger a Terra?" onde discutiu as estratégias de geoconservação (O que proteger? Como proteger? Como gerir?). Os destaques de sua fala foram os conceitos discutidos pelo professor José Brilha em seu ultimo artigo (geossítios, elementos do patrimônio geológico, sítios de geodiversidade e elementos de geodiversidade). Kátia também apresentou os tipos de locais de interesse geológico, com base em Carcavilha (2012); uma breve referência às metodologias de quantificação, dando destaque às de patrimônio geomorfológico (numerosas devidos aos trabalhos da AIG); destacou os trabalhos de Carcavilha (2009) e Brilha (2015) no tocante ao inventário e ressaltou a importância de um código de conduta a ser aplicado nos trabalhos de campo afim de conservar os sítios geológicos utilizados com fins didáticos e científicos.

Profa. Dra. Kátia Mansur
Foto: Laryssa Sheydder

Por fim, Jasmine apresentou a palestra "Patrimônio Geológico e Geoturismo" onde discutiu o conceito de geoturismo e apresentou as mais diversas formas de interpretação e valorização do geopatrimônio, especialmente em geoparques, da Rede Global de Geoparques, que foram desde souvenirs (dos mais criativos possíveis) à web sites.


Profa. Dra. Jasmine Moreira
Foto: Laryssa Sheydder. 

Vale ressaltar também os trabalhos apresentados pelos simposistas, ao todo, 47 trabalhos (13 modalidade oral e 34 na modalidade banner). Contabilizei as palavras-chave e o resultado foi muito genérico com termos desde meio ambiente a ilhas de calor. 
Em breve posto o arquivo com os Anais.


Palavras-chave dos Anais do XVI SBGFA 
(clique na imagem para visualizar em tamanho maior)


As minhas observações sobre os trabalhos são as seguintes: i) falta uma maior explicação acerca os inventários, uma vez que os trabalhos estão focados na quantificação, não havendo uma explicação precisa sobre o inventário que antecede esta etapa, ii) os geógrafos estão começando a descobrir a potencialidade de pesquisa acerca do patrimônio geomorfológico; iii) é preciso um pouco de cuidado ao disseminar a ideia de geoparques (não é preciso haver um geoparque para ocorrer o geoturismo ou a geoconservação); iv) devemos pensar também na necessidade (ou não) da excessiva adaptação de metodologias de quantificação e; v) é preciso fortalecer o debate conceitual para não cairmos nas armadilhas da técnica x técnica, como ocorre, em alguns casos, nos trabalhos de geoprocessamento, como é sabido pelos geógrafos.

Apresentações de trabalhos em banner
Foto: Laryssa Sheydder

Apresentação oral
Foto: Laryssa Sheydder


Por fim, tivemos também a presença dos professores Adriano Figueiró (UFSM) e de Lúcio Cunha (Universidade de Coimbra). Adriano lançou seu livro sobre Biodiversidade e Lúcio proferiu a palestra "Geomorfologia, Riscos Geomorfológicos e Ordenamento do Território: exemplos em Portugal".


Palestra com Prof. Dr. Lúcio Cunha
Foto: Laryssa Sheydder

O próximo SBGFA será sediado na Unicamp, em Campinas - SP, em 2017.

2 comentários:

  1. Olá Larissa... concordo totalmente com você: o evento estava super organizado e um dos melhores que já participei! Fiquei super contente em participar das discussões nas apresentações orais do eixo que tratou do tema que estamos trabalhando e também da mesa 9. Estou mais empolgada ainda com o tema. Tudo foi 10! Você não é suspeita para falar, realmente o evento foi sucesso!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. que bom Luciana. vamos fortalecer a temática na Geografia.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...